<link rel="stylesheet" href="//fonts.googleapis.com/css?family=Open+Sans%3A400%2C300%2C300italic%2C400italic%2C600%2C600italic%2C700%2C700italic%2C800%2C800italic%7CRoboto%3A400%2C100%2C100italic%2C300%2C300italic%2C400italic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic%2C900%2C900italic%7CRaleway%3A400%2C100%2C100italic%2C200%2C200italic%2C300%2C300italic%2C400italic%2C500%2C500italic%2C600%2C600italic%2C700%2C700italic%2C800italic%2C800%2C900%2C900italic">4 maneiras de otimizar os custos com mobilidade nas empresas - Audaz

Blog » Financeiro » 4 maneiras de otimizar os custos com mobilidade nas empresas
← Voltar

4 maneiras de otimizar os custos com mobilidade nas empresas

14 de março de 2019

4 maneiras de otimizar os custos com mobilidade nas empresas

O deslocamento de casa para o trabalho é um dos grandes fatores que impactam a qualidade de vida das pessoas e a produtividade interna das empresas. As longas horas no trânsito e todo o estresse de pegar um ônibus lotado ou lidar com motoristas imprudentes são problemas enfrentados por boa parte da população brasileira. Diante disso, é fundamental otimizar os custos com mobilidade para amenizar essa situação.

Contudo, muitos gestores e empresários ainda não conhecem as opções de transporte alternativo que podem ser utilizadas e incentivadas pelas organizações. Elas reduzem não apenas os gastos da empresa e dos funcionários como também contribuem para melhorias no trânsito e para o meio ambiente.

Então, vamos falar sobre os principais custos que as empresas têm em relação mobilidade e quais são as alternativas que podem ser adotadas para mitigá-los. Boa leitura!

Quais são os principais custos com mobilidade nas empresas?

Os custos com mobilidade costumam variar conforme o ramo de atividade do empreendimento, porém, alguns deles são comuns a todos. São eles que destacaremos a seguir.

Transporte público

O vale-transporte é um direito do trabalhador garantido por lei. A empresa é obrigada a fornecê-lo de forma antecipada e o empregado, por sua vez, deve ressarcir parte do valor por meio de desconto na folha de pagamento. Mesmo sendo de caráter compulsório, o funcionário pode se abster do benefício caso o julgue desnecessário.

Ele deve ser utilizado exclusivamente para o trajeto entre casa, trabalho e vice e versa. Caso acumule saldo de um mês para o outro, a empresa deve completar apenas com o suficiente para o período seguinte. O uso indevido do benefício, no caso, gera advertência e pode até ser motivo de uma demissão por justa causa em casos mais graves e recorrentes.

Combustível

Muitas empresas oferecem o vale-combustível como um benefício alternativo aos funcionários que não dispõem de acesso ao transporte público ou que não veem vantagem em utilizá-lo. Além disso, existem os casos de cargos que exercem funções externas, como representantes comerciais, nos quais o uso de veículo próprio a serviço da empresa é bastante comum.

Em ambas as situações, existe um custo para a empresa manter o benefício. No segundo caso, é ainda mais grave, visto que se trata de uma forma de ressarcimento ao trabalhador. Logo, é algo que não pode deixar de ser oferecido sem gerar consequências negativas para a organização.

Manutenção de veículos

Existem ainda cenários de negócios que contam com uma frota própria. Independente da quantidade de unidades e dos tipos de veículos eles precisam passar por manutenção preventiva além de reparos ao longo do tempo de uso. Logo, tudo isso onera a composição geral de custos.

Deixar de realizar as manutenções é ainda pior! Afinal, o custo de reposição de algumas peças e o tempo de indisponibilidade do veículo causam impactos significativos. Além disso, isso implica em risco saúde e integridade física dos funcionários envolvidos na condução e uso dessas unidades.

Como otimizar estes custos?

A melhor forma de otimizar os custos com mobilidade nas empresas é reduzindo a necessidade do uso de alguns meios. A frota própria e os funcionários que utilizam o veículo próprio a serviço da empresa não podem ser alterados, mas, para os demais casos, existem alternativas, como vamos mostrar adiante.

1. Incentivar o transporte colaborativo

O transporte colaborativo consiste no uso compartilhado de veículos particulares de forma a otimizar sua utilização. Nesse sentido, em vez de várias pessoas irem ao trabalho sozinhas, elas se juntam para dividir um único carro. Isso reduz o volume de veículos no trânsito, melhora a fluidez das vias e ainda diminui os gastos do motorista.

A empresa pode criar um programa de incentivo que ajude os colaboradores a encontrar colegas que fazem itinerários semelhantes. Assim, eles conseguem se beneficiar com a iniciativa e a empresa economiza com o vale-transporte e o vale-combustível.

2. Permitir horários mais flexíveis para facilitar caronas

Um dos problemas enfrentados por quem oferece e pega carona é a questão dos horários. Muitas vezes as pessoas moram perto, trabalham na mesma empresa, mas cumprem jornadas diferentes, inviabilizando a prática.

Nesse sentido, a empresa pode flexibilizar os horários para facilitar esse processo. Assim, o transporte compartilhado passa a ser uma alternativa mais interessante e atraente tanto para o motorista quanto para os passageiros. Além disso, a ideia ainda ajuda as pessoas a se conhecerem melhor, criando bons relacionamentos entre a equipe.

3. Incentivar o uso de meios alternativos de mobilidade

Nem só de transporte coletivo ou de carro é feito o trânsito. As pessoas podem ir ao trabalho de bicicleta ou até mesmo a pé, dependendo da distância entre sua residência e a empresa. Para isso, porém, elas precisam contar com uma infraestrutura mínima que proporcione conforto e segurança.

Sendo assim, por causa da atividade física intensa, elas devem ter acesso a um vestiário com chuveiro, a fim de se prepararem adequadamente para a rotina na empresa, e armários, para deixarem seus pertences, como toalha, roupas e itens de higiene pessoal. Além disso, é importante ter um bicicletário para manter as bicicletas a salvo de ladrões.

4. Implantar o regime home office para alguns funcionários

Algumas das funções exercidas nas empresas podem ser realizadas perfeitamente a distância. Nesses casos, é interessante criar uma política de home office que permita que parte dos colaboradores trabalhe em casa durante alguns dias da semana.

Com isso, a necessidade de deslocamento diminui, junto aos demais gastos relacionados. É claro que nem todos podem desfrutar dessa “regalia”, mas o grupo que aderir prática já consegue alcançar reduções significativas.

Enfim, fazer uma redução nos custos com mobilidade em uma empresa não é uma tarefa simples, mas também não é algo tão difícil. Além dos benefícios financeiros, essa atitude ajuda na qualidade de vida dos funcionários e em melhorias para o trânsito e para o meio ambiente. Portanto, é um esforço que, com certeza, vale muito a pena.

Gostou deste artigo? Em nosso blog temos diversos conteúdos sobre a gestão de RH que também vão lhe interessar bastante. Então, aproveite para aprender um pouco mais sobre como economizar na gestão com 4 passos simples para evitar altos gastos com vale-transporte.